Vive-Província

Projetos Vice-Província
//
//
//
O Pontifício Instituto das Mestras Pias Filippini no Brasil

Maio de 1960- O Papa João XXIII (recentemente beatificado), convoca todas as Superioras das diversas Congregações e Institutos Religiosos para uma audiência. Preocupado com os problemas da América Latina, especialmente os relacionados com a fé; com os olhos lacrimejantes diz-lhes: “O Santo Padre lhes pede, de joelhos, que o ajudem a salvar a América Latina. Já é tarde, mas não permitamos que seja mais tarde ainda”.

A então Superiora Geral do Pontifício Instituto das Mestras Pias Filippini, Madre Ninetta Jonata retorna à casa impressionada. Pesquisa a respeito dos países da América Latina, decidindo-se pelo Brasil, e nele, por São Paulo
Fevereiro de 1961- Madre Ninetta, acompanhada por Irmã Catarina Jonata, chega ao Brasil a fim de expor o seu plano ao Núncio Apostólico Dom Armando Lombardi. Este a encaminha, com uma carta de apresentação, ao então Cardeal Arcebispo de São Paulo, D. Carlos Carmello de Vasconcelos Motta que aprova o seu plano de abertura de uma Casa, e de um Noviciado para a formação das futuras Irmãs brasileiras.
Escolha do local- este deveria ser pobre conforme a herança deixada por Santa Lúcia Filippini.

O Pároco de São Cristovão, da Luz, Mons. Guilherme Bonomo, fala-lhe a respeito do Pároco de Santa Cruz, de Itaberaba, Padre Achilles Silvestri, que, há anos, está ten-tando conseguir religiosas para orientar as crianças os jovens da sua paróquia.
Madre Ninetta dirige-se, pois, à Itaberaba e, ao verificar a humildade e pobreza da população, decide fundar aqui a primeira casa das Mestras Pias no Brasil.
Ao despedir-se de Padre Achilles, dizendo que retornaria, este lhe diz: “Madre, várias congregações disseram o mesmo e jamais retornaram”.

Ao partir para a Itália, Madre Ninetta encarrega Mons. Guilherme Bonomo de ad-quirir, em Itaberaba, uma propriedade onde iniciar a Escola e o Noviciado.
06 de maio de 1962- chegam aqui as cinco primeiras Mestras Pias Filippini, acompa-nhadas pela Madre Provincial dos Estados Unidos, Ir. Carolina Jonata representando a Madre Ninetta que partira para a fundação na Suíça.
As Irmãs passam a residir na antiga chácara Domilice, que fora propriedade do Sr. Domingos Vega.

Apesar das dificuldades devido ao novo idioma, elas logo põem mãos à obra: visitas às famílias a fim de conhecer a realidade; catequese e direção das várias associações religiosas; ensino de música e inglês na Escola Paroquial.
27 de dezembro de 1962- Entram as quatro primeiras vocações.
1963- As Irmãs assumem a Direção e o ensino na então Escola Paroquial Santa Cruz que funcionava em galpões localizados atrás da antiga Igreja.

Madre Ninetta dá início às obras de construção do Colégio Santa Lúcia Filippini que, em 1964, começa com duas classes da 1a série do antigo Curso Ginasial.
Setembro de 1966- Madre Ninetta vem para o Brasil. Apesar dos seus 79 anos, dirige com energia os trabalhos de expansão do Instituto em terras brasileiras.
29 de setembro de 1976- falece Madre Ninetta, cujos despojos mortais, repousam na Cripta localizada na sede da Vice Província brasileira (Parque Madre Ninetta Jonata).

Atualmente, a Vice-Província brasileira mantém os seguintes centros: Colégio Santa Lúcia Filippini, Unidade I e Unidade II em sua Sede, em São Paulo; Casa Nossa Senhora de Fátima, no Bairro de Vila Penteado; Casa Nossa Senhora do Bom Conselho, em Miracatu, Estado de São Paulo; Casa Nossa Senhora Auxiliadora e Colégio, em Vilhena, Estado de Rondônia e Casa Madre Ninetta Jonata e Colégio Nossa Senhora da Divina Providência, em Peruíbe, Estado de São Paulo.